sábado, 10 de dezembro de 2011

AS TRÊS FESTAS JUDAICAS PRINCIPAIS


Eram a Páscoa, o Pentecostes, e Tabernáculos, que são assim chamadas em II Cr. 8:13 "Na Festa dos Pães Asmos, e na festa das Semanas, e na Festa das Tendas.". Páscoa é Pessah, que significa passagem, em hebraico, derivado do fato de o anjo destruidor ter passado por sobre toda a terra do Egito, na morte dos primogênitos, na instituição da Páscoa. Pentecostes deriva de Penta, cinco, em grego, em virtude de ser comemorada esta Festa cinqüenta dias após a páscoa, que é também chamada de Festa das Semanas, em virtude de acontecer sete semanas, após a Páscoa. A Festa dos Tabernáculos é a terceira das três festas principais, e é chamada de Sucote, derivada de Sukáh, em hebraico, que significa Tendas ou Cabanas.

Com é sabido, a Antiga Aliança é constituída, em parte, de sombras e figuras, das realidades espirituais, que o a Nova Aliança veio revelar. "Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados, que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo." (Cl.2:16,17). Estas categorias, que Paulo descreve, são as festas anuais, as mensais, e as semanais. Cada uma das festas anuais tem um sentido literal, que é o tipo, e um sentido oculto, que é o antítipo.

A Páscoa, com a morte do cordeiro de um ano, sem defeito e sem mácula, representa Jesus, que é o cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. "No dia seguinte, João viu a Jesus , que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo." (Jo.1:29,36). A Festa das Semanas, que se seguia à Páscoa, era um período de sete dias em que os judeus só poderiam comer pães asmos, isto é, sem fermento. O sentido oculto é dado por Paulo, em I Co 5:6-8: "Não é boa a vossa jactância. Não sabeis que um pouco de fermento faz levedar toda a massa? Alimpai-vos, pois, do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque Cristo, nossa Páscoa, foi sacrificado por nós. Pelo que façamos a festa, não com o fermento velho, , nem com o fermento da maldade e da malícia, mas com os asmos da sinceridade e da verdade. Então, o fermento representa o pecado, neste contexto. E os pães asmos significam a santidade, que incl ui a sinceridade e a verdade, aqui mencionadas, mas também o guardar-se do  pecado sexual, do texto.

Pentecostes é também chamada de Festa das Primícias, pois, era quando o judeu entregava os primeiros frutos da terra. O sentido oculto está registrado em At. 2:1, onde está escrito: "cumprindo-se o dia de Pentecostes..." Para que o judeu fizesse a sua colheita, era necessário que houvesse chuva. O trabalho manual, como a semeadura e a ceifa, eram a parte humana, mas a chuva era a parte de Deus. Se não houvesse chuva, não haveria colheita, embora pudesse haver semeadura. Bem, no dia de Pentecostes, o trabalho manual foi feito pelos discípulos, por meio da oração. "Todos estes perseveravam unanimemente  em oração e súplicas, comn as mulheeres, e Maria, mãe de Jesus, e com seus irmãos." A descida do Espírito Santo foi a chuva que Deus mandou,em resposta às orações dos discípulos. E, as "quase três mil almas ' que se batizaram naquele dia, foram os primeiros frutos, as primícias, da grande colheita.

Tabernáculos é a terceira festa, e era quando os judeus colhiam os restantes dos frutos de toda a plantação.  Enquanto Pentecostes fala da colheita somente das primícias, Tabernáculos fala da colheita do todo o fruto de toda a plantação. Creio que estamos presenciando a grande colheita, em todo o mundo, quando o Senhor da seara está convocando todos os servos para a tarefa. Ninguém está dispensado. A chuva, no dia de Pentecostes, foi localizada em Jerusalém, que era o local onde a colheita das primícias seria feita. Hoje, a chuva está acontecendo em toda a seara,a saber, em todo o mundo, para que a colheita seja feita em grande escala, e toda a plantação seja ceifada. "Os que semeiam em lágrimas segarão com alegria. Aquele que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará, sem dúvida, com alegria, trazendo consigo os seus molhos." (Sl. 126:5,6). 

A igreja hoje está cantando e dançando, com júbilo, porque este é o tema da colheita, alegria. Alguns da igreja ainda estão com o espírito somente da semeadura, que é penosa, e criticam àqueles que estão no espírito da ceifa, cantando e dançando, enquanto colhem os seus feixes. O tempo de cantar chegou. Alegria e brados de vitória na tenda dos justos. Entre neste espírito.

Pr. Valdi Pedro

6 comentários:

Anônimo disse...

Mensagem preciosa. Me ajudou hoje a clarear o entendimento sobre o significado dessas festas. Deus o abençoe Pastor Valdi.
De Walfrido em Joinville-SC

Cleber Aguiar disse...

uma boa exposição!

Ramon Avivamento disse...

Obrigado irmão! me ajudou em algumas dúvidas. Preciso na redação e com embasamento bíblico. VALEU!

Anônimo disse...

Obrigado irmao muito valioso esta estudo.

Luciano Evangelista disse...

Bem explicado pastor, parabéns.

Anônimo disse...

Muito boa essa explicação! Uma benção! Deus continue abençoando o pr valdir Pedro.