sábado, 3 de janeiro de 2015

PODEMOS CALCULAR A DATA DO RETORNO DE JESUS?

“Mas a respeito daquele e hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, senão o Pai.”  (Mt.24:36).

William Miller (adventista) marcou o retorno de Jesus para 10 de dezembro de 1843. Como não aconteceu, ele marcou outra data: 22 de outubro de 1844. Também não aconteceu. De lá pra cá, muitos têm marcado a data do retorno de Jesus, mas em vão. Por causa disso, qualquer que tentar calcular a data do retorno de Jesus, é considerado herege ou fanático. Porém, Jesus falou do dia e da hora, deixando em aberto o mês e o ano. Ademais, Apocalipse lança um desafio à nossa inteligência, ainda que o tema seja outro. “Aquele que tem entendimento calcule o número da besta, pois é número de homem. Ora, esse número é seiscentos e sessenta e seis.”

Vou fazer algumas considerações, e que o leitor julgue por si mesmo.

1.       Supostamente estamos no ano  2015, contados a partir do nascimento de Jesus. Sabemos que o calendário gregoriano tem um erro, pois começou a contar o ano zero quando Jesus tinha aproximadamente 4 anos. Assim, estamos, na verdade, no ano 2019, contados a partir do nascimento de Jesus.

2.       Acontece que os anos são contados na Bíblia a partir da data em um rei assume o governo, e não a partir do seu nascimento. “No ano terceiro do reinado de Jeoaquim, rei de Judá, veio Nabucodonosor, rei da Babilônia, a Jerusalém e a sitiou (Dn.1:1)...No segundo ano do reinado de Nabucodonosor (Dn.2:1)...No primeiro ano de Belsazar, rei da Babilônia, teve Daniel um sonho...(Dn.7:1...No ano terceiro do reinado do rei Belsazar, eu, Daniel, tive uma visão...(Dn.8:1...No primeiro ano de Dario, filho de assuero, da linhagem dos medos...(Dn.9:1)...No terceiro ano de Ciro, rei da Pérsia, foi revelada uma palavra a Daniel...(Dn.10:1)”. Observe que o primeiro rei mencionado é rei de Judá (Israel), Jeoaquim. A partir daí, os reis mencionados são gentios, das nações. Porque Deus tirou a autoridade de governo (domínio) de Israel e a colocou nas nações gentias. Agora observe a sequência no Novo Testamento. “No décimo quinto ano do reinado de Tibério César (romano)..., veio a palavra de Deus a João, filho de Zacarias, no deserto.” (Lc.3:1,2). A autoridade de governo (domínio) ainda estava com os gentios. Agora veja o que Jesus disse depois de ressuscitar. “Toda a autoridade (governo, domínio) me foi dada no céu e na terra.” (Mt.28:18). Daniel também viu isto, pois disse “eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha com as nuvens do céu um como Filho do homem, e dirigiu-se ao Ancião de dias, e o fizeram chegar até ele. Foi-lhe dado domínio, e glória, e o reino, para que os povos, nações e homens de todas as línguas o servissem; o seu domínio é domínio eterno, que não passará, e o seu reino jamais será destruído.” (Dn.7:13,14).

3.       Dentro da cronologia bíblica, há uma possibilidade de que haja dois mil anos de Adão a Abraão, dois mil anos de Abraão até Jesus, o Messias, e dois mil anos de Jesus até a sua segunda vinda. De outro modo, como harmonizar a tipologia, que o judeu tinha de trabalhar seis dias e descansar no sétimo? Pedro disse “que, para o Senhor, um dia é como mil anos, e mil anos, como um dia.” (II Pd. 3:8). O planeta deverá sofrer os efeitos do pecado e a ação de Satanás e seus demônios por seis mil anos, e o sétimo milênio, é o Milênio em que Jesus estará reinando de fato e de direito. (Ap.20:4-6). A tipologia  também nos ajuda no caso do escravo hebreu, que deveria servir seis anos, mas no sétimo seria livre. (Ex.21:1,2). Também está escrito “Seis anos semearás o teu campo, e seis anos podarás a tua vinha, e colherás os seus frutos. Porém, no sétimo ano, haverá sábado de descanso solene para a terra, um sábado ao Senhor; não semearás o teu campo, nem podarás a tua vinha...ano de descanso solene será para terra.” (Lv. 25:1-5). Se o sétimo milênio não for o descanso do planeta, a tipologia terá falhado, o que sabemos ser impossível.

4.       Agora, se contarmos os dois mil anos de Jesus, não a partir do seu nascimento, mas da sua ressurreição, a história é outra. Já vimos que quando Jesus ressuscitou, recebeu toda a autoridade. Também a ressurreição de Jesus foi um nascimento, pois o sepulcro era um útero em que foi gerado o seu corpo imortal, e se cumpriu a palavra do salmo 2:7 “Tu és meu Filho, eu, hoje, te gerei.” Já que estamos no ano 2019 do seu nascimento, em que data estamos, contando a partir de sua ressurreição? Mais um detalhe. Creio que Jesus morreu com trinta e três anos e meio, pois o seu ministério terreno durou a metade de sete anos (da grande tribulação) e a outra metade será cumprida pela igreja, que estará três anos e meio na grande tribulação. Mas isto já outra história. É só subtrair (diminuir) 2019 menos 33,5 é igual a 1985,5. Então podemos fazer a conta assim: 2000 – 1985,5=14,5. Ou seja, faltam 14,5 anos (catorze anos e meio) para completar dois mil anos a contar da data em que Jesus recebeu toda a autoridade. Seguindo o calendário gregoriano, é só adicionar 14,5 anos a 2015, que vamos encontrar a data de 2029,5. Então, em julho de 2029 completará dois mil anos da partida de Jesus deste mundo. Será essa a data do seu retorno? Julgue você mesmo

Um comentário:

Edinei Pinheiro disse...

A resposta continua em Mateus 24:36